RSS
email

PASTELARIA PAZ

NOVANET

Augusto Pinz

Uma importante dica aos Pais sobre relacionamento sexual com companheiros e convivência com filhos(as)


 No trecho a seguir exemplo de uma revelação espontanea.✔

“Tia, meu pai fica pelado e minha mãe também. Eles ficam um cima do outro e fazem uns barulhos feios. Meu pai bate na minha mãe, ela fica sentindo dor. Isso tá me deixando com a cabeça doendo. Tenho medo de um dia meu pai matar minha mãe na cama. Me ajude, tô com medo!"

Este foi um pedido de socorro de uma criança de 6 anos que estudava em uma escola que fui fazer um trabalho de Educação Sexual.  Depois que apresentei como devíamos proteger o corpo, esta criança levantou a mão e disse que sua mãe não sabia proteger o corpo dela. 

No final das dinâmicas com as crianças, chamei esta menina para conversar um pouco. Foi aí que ela pediu que eu a ajudasse a proteger a sua mãe da "violência" do seu pai.

Pedi para falar com os pais da garota. A escola me deu as melhores referências sobre eles. Quando lhes contei  o pedido que sua filha havia me feito, eles ficaram arrasados. Logo os acalmei e os acolhi. Disse-lhes que podiam reverter muita coisa. E discutimos algumas formas de fazê-lo.

O que me chamou a atenção foi quando eles disseram: "Nós tínhamos certeza que ela estava dormindo!"

Queridos pais, se vocês optaram por fazer cama compartilhada ou trazer seus filhos para dormirem no mesmo quarto, não deixem de fazer sexo por isso, mas não coloquem a criança no perigo de ver o momento íntimo de vocês.

A criança que presencia a relação sexual ela foi submetida a uma situação que pode ser equivalente ao abuso sexual, no que se refere as CONSEQUÊNCIAS. E,  até os 7 ou 8 anos, a criança tem  a impressão que seu pai está matando sua mãe. O que a deixa perturbada, angustiada, além de outros prejuízos.

Sei que nem todas as famílias têm mais de um quarto em suas casas, que muitos pais moram nas casas dos seus pais e não têm outra forma a não ser dormir com seus filhos. Se este for seu caso, busque outro ambiente ou horário em que a criança não esteja. Enfim, juntos busquem outra forma. Também não estou afirmando que os pais cometeram um crime. Mas que precisam de orientação para que haja uma mudança de comportamento, pois pode se caracterizar como negligência ou até mesmo Abuso Sexual.

Texto: Leiliane Rocha @leilianerochapsicologa


Bookmark and Share

0 comentários: