RSS
email

Ponto com e Braga Celulares

CRESOL SUL CANGUÇU/RS

CRESOL SUL CANGUÇU/RS

HD SAT

Morada das Figueiras

São João Encomendas

Tchê Parque

Morre dona de casa que deu origem a apuração sobre exames pré-câncer

Ieda de Ávila foi diagnosticada tardiamente com tumor no colo do útero e caso gerou apuração do MP e CPI na Câmara de Pelotas-RS.
Carlos Queiroz 83680
No começo de agosto, Ieda relatou seu caso em uma audiência pública na Câmara de Vereadores (Foto: Carlos Queiroz - DP).

Morreu na madrugada desta quinta (29) a dona de casa Ieda de Ávila, 51. Ela foi a paciente da Unidade Básica de Saúde (UBS) Bom Jesus que deu origem à desconfiança de profissionais do local sobre falhas nos laudos de exames pré-câncer realizados na rede pública de Pelotas.
Ieda estava internada desde quarta no Hospital Espírita de Pelotas (HEP) com fortes dores abdominais que sentia desde o fim do tratamento para um câncer no colo do útero. De acordo com familiares, em fevereiro havia chegado ao fim a maratona de sessões de quimioterapia, radioterapia e braquioterapia, com os médicos indicando a cura do tumor. Apesar disso, as dores continuaram.
Conforme a filha Tainara de Ávila Lessa, 22, uma cirurgia foi realizada às pressas na manhã de quarta, quando foi descoberta uma lesão no intestino. "Não tenho como garantir isso, mas deve ser uma decorrência de todas as complicações do tratamento agressivo que ela passou. Foi um tratamento tardio. Ela estava com câncer e os exames sempre apontavam que não", diz.
A família espera que as investigações iniciadas pelo Ministério Público (MP) e Câmara de Vereadores cheguem a uma conclusão sobre o caso dos exames e assegura que dará continuidade ao processo que move contra o município por negligência. "Foi uma luta que nossa mãe iniciou. Não é pela indenização. É para que não tenhamos mais filhos chorando a perda da mãe como eu e meus irmãos hoje", afirma Tainara.
Ieda de Ávila está sendo velada nesta quinta no Cemitério São Lucas. O sepultamento está marcado para às 17h30min. Ela deixa dez filhos.

No mesmo dia, CPI parada

Enquanto familiares de Ieda lamentavam a perda e organizavam o velório, na Câmara a CPI que deveria investigar se houve falha por parte do município ou do laboratório Serviço Especializado de Ginecologia (SEG) teve mais uma reunião frustrada.
Nomeado presidente interino para buscar um acordo sobre o comando definitivo da comissão, Ademar Ornel (DEM) se reuniu a portas fechadas com parlamentares dos partidos que não se retiraram da CPI. No entanto, não houve entendimento e nenhum vereador se dispôs a presidir o inquérito legislativo iniciado em agosto. "Estou declinando dessa função alertando que faltam oito dias para cumprir o prazo regimental. Qualquer prorrogação (da CPI) que tiver que ser feita deve ocorrer em oito dias", apontou Ornel. Com isso, a comissão corre o risco de ser encerrada sem cumprir a tarefa de produzir e votar um relatório final com a conclusão do caso para ser encaminhado ao MP.

Relembre

Em julho, uma denúncia de que exames papanicolau feitos na rede pública de saúde apresentavam diagnósticos padronizados fez com que uma sindicância interna fosse aberta pela prefeitura. MP e Câmara de Vereadores também iniciaram investigações. A origem da suspeita se deu após um memorando enviado por funcionários da UBS Bom Jesus à Secretaria Municipal de Saúde apontando que laudos de coletas feitas com mulheres no local indicavam índices de anormalidade abaixo da média. As análises eram feitas pelo laboratório SEG.
O caso que mais chamou a atenção e foi usado como exemplo por parte dos funcionários foi o da dona de casa Ieda de Ávila, que realizou dois exames sem que houvesse indicativo de anormalidade. No entanto, a paciente buscou diagnóstico alternativo e teve a confirmação de um tumor em estágio avançado.
Em agosto, por determinação da 6ª Vara Cível de Pelotas, lâminas de exames citopatológicos foram recolhidas do laboratório SEG e encaminhadas para a sede do Instituto Geral de Perícias (IGP), em Porto Alegre. O material está sob custódia do Estado.
Até o momento a prefeitura não se manifestou sobre a sindicância interna realizada para averiguar eventuais falhas administrativas. As investigações do MP também ainda não tiveram uma conclusão.


Bookmark and Share

0 comentários: