RSS
email

Ponto com e Braga Celulares

Morada das Figueiras

O ESCRITÓRIO

CREHNOR CANGUÇU/RS

CREHNOR CANGUÇU/RS

HD SAT

Impressão Radical

Impressão Radical

Eliezer Rutz Antenas

Diretoria do HCC fala sobre situação da entidade durante reunião

A Diretoria da Associação do Hospital de Caridade de Canguçu (HCC) realizou um encontro, na quinta-feira (24), para apresentar a situação atual da entidade para lideranças do município e colaboradores. Com um déficit mensal de R$ 250 mil a entidade continua enfrentando sérias dificuldades em uma situação de alerta na instituição.
Estiveram presentes representantes da Prefeitura Municipal – a Secretária de Saúde Miriam Neutzling e o Secretário de Assistência Social Rui Carlos Muller – e os vereadores Erroldisnei Borges (PT), Cristiano Aguiar (PP) e César Madrid (PP).

O gestor do hospital, Mário Fonseca, apresentou dados que mostram que apesar de uma aparente calmaria nos meios de comunicação sobre o hospital a situação ainda é crítica. São R$ 3 milhões de passivos trabalhistas com médicos que não recebem desde agosto de 2015 e o 13º salário de 2016 ainda em débito com os servidores. A folha de pagamento de julho deste ano foi quitada no dia 18 de agosto. Existe também uma preocupação com a renovação do contrato com a Prefeitura Municipal em Outubro deste ano. “Precisamos do funcionário bem pago para estar motivado, mantendo nosso serviços em dia”, destacou.
Fonseca também falou sobre críticas ao atendimento no Pronto Socorro. Segundo ele o número de atendimentos é alto, em especial, aos finais de semana e feriados prolongados onde é o único local para atendimento. “Em Julho tivemos 2097 atendimentos no pronto socorro, um número muito elevado, e são dois profissionais. Quando um precisa acompanhar um deslocamento fica apenas o outro para todo o atendimento”, lembra, falando ainda que o atendimento se faz possível com ajuda dos R$ 75 mil da Prefeitura Municipal.
O gestor destacou as iniciativas para gerar economia na instituição como a revisão dos contratos com as clínicas, assinatura do convênio com o programa Rede Cegonha, que irá gerar uma receita de até R$ 240 mil mês, e o estudo para instalação de energia fotovoltaica e a troca das lâmpadas com reator por lâmpadas de lead. Ações pontuais que geram menos despesas.  Lembrou ainda que a filantropia do hospital está garantida.
O médico Ernesto Maurício Arndt Neto, em sua fala, aproveitou para destacar que o financiamento com o BRDE para construção e ampliação do prédio do hospital já foi quitado após discussão judicial, diferente do que é comentado na comunidade e provocado diversas vezes na CPI do Hospital na Câmara Municipal. “Recebemos correspondência informando que não há mais dívida”, disse.


Bookmark and Share

1 comentários:

Anônimo disse...

Boa tarde Augusto
Podes te informar qtas lampadas de lead o hospital precisa?
Quem sabe uma campanha para doação destas lampadas?