RSS
email

Rodeio In Fest - em Setembro

Morada das Figueiras

O ESCRITÓRIO

CREHNOR CANGUÇU/RS

CREHNOR CANGUÇU/RS

HD SAT

Impressão Radical

Impressão Radical

Eliezer Rutz Antenas

Pavilhão da Agricultura Familiar supera R$ 2 milhões em vendas na Expointer

Um dos locais mais visitados na Expointer 2016, no Parque Estadual de Exposição Assis Brasil, em Esteio, é o Pavilhão da Agricultura Familiar. O espaço que reúne salames, queijos, vinhos, chimias, biscoitos, artesanato e outros produtos acumulou um total de vendas, neste ano, superior a R$ 2 milhões e representa uma boa entrada de recursos para as famílias que comercializam os produtos. ”É a terceira vez que venho aqui comprar as bolachas porque são maravilhosas”, afirma a consumidora Dorvalina Silveira Dias, ao adquirir produtos da agroindústria Tia Leci, de Venâncio Aires. 
Fotos: Maidana Idiarte/Canguçu em Foco

Marnei Becker, que comercializa bolachas conta que este é o quinto ano que eles vêm para a feira e que a receita é proveniente de sua sogra, falecida em 2012. Em Venâncio Aires, a família de Linha Madalena comercializa os produtos em mercados, mas o forte de vendas são as feiras.
As famílias que estão no Pavilhão da Agricultura Familiar vêm de 131 municípios, e os espaços se subdividem em 170 agroindústrias, 44 estandes de artesanato, nove expositores especializados em plantas e flores e quatro cozinhas para comercializar produtos da agricultura familiar. Os produtos orgânicos estão presentes na feira em 16 expositores das agroindústrias, com itens como sucos, chás, temperos, mel, rapaduras e cachaças com certificação.


Dos 227 expositores, 83% já estiveram em edições anteriores da Feira; e 94% participam do Programa Estadual de Agroindústria Familiar (Peaf) e utilizam o Selo Sabor Gaúcho; 38% empregam matéria-prima de origem vegetal e 35% de origem animal em seus produtos; e 15% trabalham com produtos orgânicos. Doralina Bertol, de Encantado, está pela primeira vez vendendo no pavilhão e, para ela, a Feira não serviu só para vender 30 caixas de quiabo em conserva e outras compotas e doces. “Eu falei para o meu marido que tina medo de vir e não vender. Agora estou com vontade de vir de novo. Levantou o meu astral, eu achei legal e foi bom”, explica a agricultora que produz tudo que beneficia. Jair, esposo de Doralina, afirma que para a família as vendas foram um sucesso.
A organização do Pavilhão da Agricultura Familiar é feita pela Secretaria do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR) e Secretaria Especial da Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário, ligada à Casa Civil da Presidência da República, em parceria com a Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (Fetag-RS), Federação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar (Fetraf) e Emater/RS-Ascar.

Bookmark and Share

0 comentários: