RSS
email

Ponto com e Braga Celulares

Morada das Figueiras

O ESCRITÓRIO

CRESOL SUL CANGUÇU/RS

CRESOL SUL CANGUÇU/RS

HD SAT

Impressão Radical

Impressão Radical

Eliezer Rutz Antenas

NOTA DO PSOL CANGUÇU SOBRE AS CANDIDATURAS AO EXECUTIVO

O PSOL é um partido que embora ainda seja "pequeno", é um partido sério e coerente. O PSOL é um partido que na sua curta história sempre esteve ao lado dos trabalhadores, das minorias e dos movimentos sociais. Quando se fala na história do PSOL é importante salientar a sua origem. 
Com a eleição de Lula em 2002 uma grande parte da esquerda acreditou que a direita brasileira estava derrotada, pois com a eleição do maior partido de esquerda do país, não se esperava outra postura do que um governo que dialogasse com a população, estivesse perto das bases que o elegeram e que fizesse jus ao seu nome, lutando pela melhora na vida dos trabalhadores e da maioria da população, e que principalmente fosse um governo regido pela participação popular e não orquestrado pelas grandes corporações que historicamente usurpavam do Estado Brasileiro. Entretanto não foi essa a postura adotada. O recém eleito governo passou a perseguir as bases partidárias que discordavam da política que estava sendo adotada, por se afastar drasticamente do programa eleito. Tendo seu ápice na reforma da previdência, onde parlamentares reconhecidos pela sua postura combativa, entre eles os então deputados federais, João Fontes, Luciana Genro e Babá e a senadora Heloísa Helena foram expulsos do PT por irem contra a orientação do governo e votarem a favor do povo brasileiro.
Surgia ali o PSOL, que em 2005 conseguia o seu registro. Momento em que mais descontentes do PT se juntavam ao PSOL, entre estes os deputados federais Ivan Valente, Chico Alencar, Maninha e João Alfredo, somavam forças também diversos deputados estaduais e intelectuais como Plínio de Arruda Sampaio e Marcelo Freixo, além de uma grande onda de militantes ao redor do país.
Hoje, passados mais de 10 anos de sua fundação, o PSOL se destaca no cenário nacional e regional por ser um partido sério, coerente, ético, combativo, jamais envolvido com casos de corrupção e de esquerda. Neste período se manteve como alternativa frente a direita e ao governismo cego, tendo uma postura combativa no senado, nas câmaras e assembleias do país. Sendo reconhecido também por apresentar candidatura fortes à presidência da república com os nomes de Heloísa Helena (2006), Plínio de Arruda Sampaio (2010) e recentemente com Luciana Genro (2014). Candidaturas populares, que embora financiadas por recursos próprios e infinitamente menores comparadas aos partidos do sistema, tiveram representatividade e o protagonismo da verdadeira esquerda.

Em Canguçu a história do partido é recente. Tendo suas primeiras "aparições" em 2014, quando alguns militantes do partido apoiaram individualmente a candidatura de Jurandir Silva para deputado estadual, momento em que os militantes passaram a se reunir periodicamente e desde então pensar em elaborar uma proposta política diferente para o município. Sempre mantendo a ética, a seriedade e a coerência do partido a nível nacional.
Eis que em 2016 surge a primeira oportunidade do partido lançar candidaturas a nível municipal, o que está amplamente sendo debatido pelos filiados e simpatizantes, tanto para o executivo quanto para o legislativo. Entretanto uma parcela da população, da imprensa e do próprio governo questiona qual será a postura do partido quanto a um possível apoio às já declaradas candidaturas do PP, PMDB e PT.
Cabe aqui uma breve análise de tais "propostas".
Por primeiro o Partido Progressista. Partido que historicamente "domina" a câmara de vereadores do município, fazendo uma oposição suja, do quanto pior melhor, nos governos PMDB e PT. E uma "defesa" genérica do governo quando o partido assenta o executivo. Deve ser sublinhado que mesmo tendo a maior bancada da câmara nos últimos 20 anos, senão mais, apresentou poucas e esparsas propostas que realmente façam a diferença na vida dos moradores. No município rondaram até casos de improbidade administrativa envolvendo o partido. É um partido que aparece em época de eleição com discurso bonito e campanhas financiadas pelo empresariado local, além de apresentar propostas retrógradas por detrás de políticos que diariamente ocupam os microfones das rádios locais com discursos rasos e raivosos. A nível nacional lidera os "rankings" de corrupção, severamente envolvido na Lava Jato, além de ter em seus quadros figuras desprezíveis como Heinz e até pouco tempo Bolsonaro. Entendemos que o modelo de política que o partido representa é o que há de pior na política brasileira. Modelo este que é o grande responsável pelo descrédito que há na política e nos políticos.
Sobre a candidatura do PMDB. Não muito diferente do PP, entendemos que a proposta do PMDB não representa os interesses da maioria da população canguçuense. Uma candidatura que embora liderada por um nome de atuação reconhecida no legislativo, tende adotar a agenda do partido a nível nacional. O PMDB é o partido com o maior número de deputados estaduais e federais, senadores, prefeitos e vereadores do país, além de ocupar neste momento a presidência da república com Temer, a presidência do Senado com Calheiros e recentemente ocupou a presidência da câmara com um dos nomes mais repudiáveis da política, Eduardo Cunha. Destaca-se a posição fisiológica do partido, que faz alianças com os mais diversos grupos ideológicos, com um único objetivo, ocupar cargos para defender interesses obscuros alheios ao sistema político. É também o partido do governador Sartori, que diariamente ataca os interesses dos trabalhadores, desrespeita os servidores públicos e toma medidas arbitrárias que são duramente pagas pela população, como o parcelamento de salários e o aumento nos impostos. Além de em Canguçu estar coligado com o PSDB, partido também profundamente envolvido em casos de corrupção e aliado com os grupos mais conservadores da direita por detrás de um manto social democrata.
Por fim, o Partido dos Trabalhadores que na última eleição municipal se elegeu como alternativa de esquerda frente a velha política quase que coronelista que vigorava no executivo. Destaca-se que apesar de eleger-se com uma proposta popular, nos últimos quatro anos de gestão mostrou poucos avanços 
realmente significativos na vida dos cidadãos canguçuenses. Ainda que se possa analisar verdadeiras mudanças na forma de fazer política por esse governo, acredita-se que muito mais poderia se ter realizado. Sem falarmos no desgaste que o Partido dos Trabalhadores enfrenta nacionalmente, que por ceder demais a tal governabilidade se viu diante de uma série de problemas estruturais e ideológicos e paga hoje por concordar e aceitar os interesses do empresariado e da cúpula política (leia-se PP, PMDB e os demais partidos do velho sistema político). Imperioso ressaltar que o partido também é alvo da operação Lava Jato, tendo inclusive políticos de suas bases atrás das grades. Cabe lembrar ainda que por diversas vezes, em vários lugares do Brasil, políticos do PT literalmente subiram no palanque de candidaturas retrógradas em detrimento de candidaturas fortes e progressistas do PSOL, o que nossa militância considera um verdadeiro golpe à esquerda coerente e combativa, fatos que levaram o PSOL a emitir uma "orientação" nacional para que suas bases não fizessem coligações com o Partido dos Trabalhadores. Por último observa-se a aliança com o PDT, partido que historicamente defendeu bandeiras trabalhistas e de esquerda, não obstante hoje também sofre um desgaste e tem no senado como representante do Rio Grande do Sul Lasier Martins, um nome totalmente incompatível com as frentes de esquerda, além de representar um dos órgãos que mais presta desserviços a população gaúcha, a RBS. 
Em nosso município, a verdadeira participação popular, democrática e com representatividade não se viu ser aplicada de fato, o discurso de esquerda trivial utilizado apenas em período eleitoral não nos representa. Lutamos por uma política que realmente simbolize e se dedique aos interesses das minorias representativas e que possa fazer a mudança na política local.
Entendemos que em Canguçu nenhum destes projetos nos representa e por isso nenhum deles terá o apoio do PSOL. O PSOL é um partido que luta diariamente por uma política limpa, progressista e coerente, e neste sentido será a sua postura no município. Não iremos entrar no jogo em troca de cargos, de facilidades para eleger nossos candidatos ou fazer alianças perigosas em nome da governabilidade. Embora exista afinidades com um projeto político semelhante ao adotado pelo Partido dos Trabalhadores e muitos alegarem que seria motivo para nos aliarmos a sua coligação, isto não irá ocorrer.
Em um momento de avanço do conservadorismo e crise política a posição do PSOL será de repúdio as velhas práticas políticas e ao discurso de esquerda usado apenas em época de eleição.
Nenhum voto no PP e no PMDB. PT não nos representa.
Comissão provisória do PSOL Canguçu.


Bookmark and Share

0 comentários: