RSS
email

Ponto com e Braga Celulares

Morada das Figueiras

O ESCRITÓRIO

CREHNOR CANGUÇU/RS

CREHNOR CANGUÇU/RS

HD SAT

Impressão Radical

Impressão Radical

Eliezer Rutz Antenas

Colegas poderão atuar como monitores de quilombolas e indígenas

A política de inclusão de quilombolas e indígenas na Universidade Federal de Pelotas (UFPel) acaba de ganhar mais uma contribuição. Buscando, além do acesso – que já ocorre de forma específica desde 2015 -, a permanência desses estudantes, a Universidade oportunizará que colegas atuem como monitores. A intenção é que eles possam auxiliar os quilombolas e indígenas em diferentes atividades acadêmicas.

O Programa de Bolsa de Apoio Institucional para a Permanência dos Estudantes Quilombolas e Indígenas prevê a contratação de 16 estudantes para trabalharem, mediante o pagamento de uma bolsa de auxílio mensal ou de forma voluntária, como monitores dos colegas quilombolas e indígenas em seus respectivos cursos. No limite o estudante monitor atenderá a dois quilombolas ou indígenas por curso. Da mesma forma, será estabelecido um regime de cooperação entre os quilombolas oriundos de outras modalidades de ingresso (Ampla Concorrência, L2 e L4) que também recebem o Programa Bolsa Permanência.

O estudante que participar desse programa de apoio institucional aos quilombolas e aos indígenas terá, como atribuições, orientar na matrícula; auxiliar na busca de apoio institucional e material; participar de reuniões com docentes e discentes; acompanhar o desempenho acadêmico (apoio pedagógico); auxiliar no uso da língua portuguesa e na língua estrangeira; auxiliar na informática; auxiliar na elaboração de resumos, pôsteres e textos para eventos acadêmicos; auxiliar em estágios; auxiliar na contagem de créditos; e auxiliar na organização da escrita do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC).

Ao mesmo tempo, a proposta busca aproximar a Coordenação de Ações Afirmativas e Políticas Estudantis (CAPE) e o Núcleo de Ações Afirmativas e Diversidade (NUAAD) com as coordenações de cursos, construindo um caminho para as graduações e a UFPel aprimorarem a sua estrutura e os seus saberes científicos, beneficiando-se o máximo possível da permanência dos quilombolas e indígenas na instituição.

Para o coordenador da CAPE, Rogério Rosa, o monitor será um grande mediador. Atuará no acolhimento e na orientação dos estudantes, por exemplo, em formas de estudo de aprendizado e indicação de atividades às quais poderão se sentir vinculados. De acordo com ele, apesar da conquista do acesso e do bom recebimento dos alunos quilombolas e indígenas por parte dos cursos, a permanência constitui um desafio, considerando-se que cada contexto tem suas particularidades. É preciso, destacou, que as ações afirmativas perpassem toda a Universidade. E as melhorias no processo têm sido feitas, explicou, junto à CAPE, coordenações de curso, professores, técnico-administrativos, cotistas e as próprias comunidades. “Pensamos em iniciativas que levem ao crescimento pessoal e profissional do estudante quilombola e indígena na Universidade, e o que ela pode aprender com a presença dele”, pontuou.

Atualmente, estão matriculados na UFPel nove estudantes quilombolas e dez indígenas, vinculados a 12 cursos de graduação. A Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE) já oferece a esses estudantes, em sua política de permanência, a Casa Quilombola e Indígena, auxílio alimentação, auxílio transporte, auxílio deslocamento, auxílio moradia, pré-escolar, auxílio instrumental odontológico e apoio pedagógico. Além disso, eles recebem o auxílio financeiro mensal do Programa Bolsa Permanência.

Seleção e perfil
Para a execução do Programa de Bolsa de Apoio Institucional, a CAPE/NUAAD solicitará às coordenações de colegiados, cujos cursos tenham quilombolas e indígenas oriundos do Processo de Seleção Específico matriculados, que abram editais para a contratação de estudantes, considerando a trajetória acadêmica dos mesmos e o cumprimento de um percentual mínimo de disciplinas obrigatórias e optativas. O perfil desse aluno deve observar ainda o respeito à diversidade étnica, o domínio dos conteúdos de maior dificuldade dos quilombolas e dos indígenas, a socialização para além dos espaços acadêmicos e a sensibilidade para com os saberes tradicionais oriundos dessas culturas específicas. As seleções deverão começar em breve. (UFPel)

Bookmark and Share

0 comentários: