RSS
email

Ponto com e Braga Celulares

Morada das Figueiras

O ESCRITÓRIO

CREHNOR CANGUÇU/RS

CREHNOR CANGUÇU/RS

HD SAT

Impressão Radical

Impressão Radical

Eliezer Rutz Antenas

Alívio para os brasileiros

A sensação no país é de alívio após a votação no Senado Federal porque deu-se um primeiro passo para resolver uma questão que havia paralisado a economia e política nacional. A tomada de decisão foi importante para o empreendedorismo no país e fortalecimento de todos os setores. A expectativa é pela redução de custeio do país e que isso traga austeridade. É preciso uma nova linha na condução do país com a esperada estabilidade para que não se mudem constantemente as decisões. 

Aos novos governantes faz-se fundamental um ataque aos juros elevados que são grandes inibidores do desenvolvimento do país e que se reduza o tamanho do Estado, para que fiquem adequados receita e despesa sem criar novos impostos. Pelo contrário, espera-se até mesmo que os governantes percebam que é preciso reduzir os tributos como forma de impulsionar a economia e, assim, voltar a gerar emprego e renda. 

O país estava economicamente parado à espera da definição da crise política. A cada dia diminuíam as vendas e, consequentemente, se viu reduzida a produção e geração de empregos. 

Foi notória a percepção do aumento de otimismo no comércio na ultima semana. A perspectiva da aproximação da votação do processo de impeachment da Presidente da República no Senado indicava um ponto final na atual anarquia brasileira.

Na história de outros países, instabilidades similares também aconteceram dentro de um processo de amadurecimento cívico e da gestão do Estado. A diferença que desfavorece o Brasil é que aqui a presença da administração pública na vida privada dos cidadãos é muito maior do que nas outras nações que passaram por parecida trajetória. Isto é naturalmente comprovado pela nossa carga fiscal que gira em torno de 40% do PIB. Conclui-se que a tal da crise seria muito menor se a presença do Estado na economia fosse menor.

Se os políticos querem aprender a fazer política, que se sintam à vontade. Porém, diminuam os impostos, pois provaram que não sabem como gastar e investir apropriadamente o nosso suado dinheiro. Foi exatamente quando o Governo Federal não conseguiu mais cobrir seus gastos crescentes com aumento de arrecadação é que começou a crise política.

MENOS IMPOSTOS e MAIS GESTÃO. Assim é que se resolve a crise política e econômica.

Vitor Augusto Koch
Presidente da FCDL-RS

Bookmark and Share

4 comentários:

Anônimo disse...

Que ilusão achar isso, é muito pobre achar que o pais vai resolver os problemas que tem, com 8 ministros envolvidos na lava jato.Só mudou o lado dos favorecidos.

Anônimo disse...

Uai, então melhorou muito Dilma tinha 21 ministros investigados..

MINISTROS INVESTIGADOS NO GOVERNO DILMA

Aloizio Mercadante
Antonio Palocci
Arthur Chioro
Carlos Gabas
Celso Pansera
Edinho Silva
Edison Lobão
Erenice Guerra
Fernando Bezerra
Fernando Pimentel
Gilberto Carvalho
Gleisi Hoffmann
Guido Mantega
Henrique Alves
Izabella Teixeira
Lula
Mario Negromonte
Mauro Borges
Mozart Sales
Paulo Bernardo
Silas Rondeau

Anônimo disse...

bah que baita alívio agora com o Temer a salvação do país!...Se ele veio pra mudança e pra melhora do país deveria ter começado diferente da Dilma então, não colocando como ministros gente investigada na lava jato!! quer mudar mas já começa errado. Já começa juntando ministérios importantíssimos, calando a voz dos movimentos sociais (negros, lgbts, mulheres, mst, mpa), vai ser um governo pra elite branca!
ps.: queremos ver uma matéria em contraponto a essa opinião! seria bem interessante mostrar os dois lados da moeda :)

Jornalista Augusto Pinz - MTB/RS 16.152 disse...

http://www.cangucuemfoco.com.br/2016/05/dilma-democracia-e-o-lado-certo.html