RSS
email

Ponto com e Braga Celulares

Morada das Figueiras

O ESCRITÓRIO

CREHNOR CANGUÇU/RS

CREHNOR CANGUÇU/RS

HD SAT

Impressão Radical

Impressão Radical

Eliezer Rutz Antenas

Cresce o número de consumidores com contas em atraso

Estudo realizado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), mostra que segue crescendo o número de consumidores brasileiros com contas em atraso. No final de março, são 58,7 milhões de devedores negativados em todo o país, sendo 8 milhões na região Sul. Para a Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul - FCDL-RS, gestora do SPC, os dados são preocupantes e reforçam a necessidade de uma mudança urgente na economia do Brasil, com foco na geração de renda e reaquecimento do consumo.

De acordo com o presidente da FCDL-RS, Vitor Augusto Koch, não é possível acompanhar o crescimento do número de devedores a cada novo levantamento realizado, sem se preocupar pelo momento ruim que vivem os cidadãos com débitos e as empresas que precisam receber seus pagamentos.

- No início de 2015, o Brasil somava 54,6 milhões de consumidores negativados. Em um ano, esse número cresceu 4,1 milhões. Apenas em fevereiro e março desse ano foram acrescidos a este total mais 700 mil devedores. A população não consegue mais conviver com inflação elevada, perda constante do poder de compra e juros elevadíssimos, que corroem seu orçamento familiar e acabam por impossibilitar o pagamento em dia de seus compromissos financeiros. É preciso que os governantes tratem de modificar esse quadro de alguma maneira, buscando soluções que revitalizem a nossa economia e evitem um quadro ainda pior - enfatiza Vitor Koch.

As maiores pendências registradas por segmento de economia se encontram nas contas básicas de água e luz. Na região Sul, esse segmento é o que mais cresceu em percentual de devedores, com 7,97% em março de 2016, na comparação com o mesmo mês de 2015. Em seguida, aparece a alta de 6,40% do total de dívidas ligadas aos bancos. Há vários meses que a dívida com os setores básicos para o funcionamento das residências tem aumentado de forma substancial.

Os bancos são os maiores credores das dívidas da região, respondendo por 44,97% do total. Em seguida, aparece o Comércio, que detém 23,74% das pendências. Comunicação aparece com uma participação de 18,10% junto ao total. O número médio de dívidas dos inadimplentes da região Sul é de 2,3 débitos. (PlayPress)

Bookmark and Share

0 comentários: